Odemira - Todo o Alentejo num só concelho
Odemiracantocantocantocanto

Freguesia de Santa Clara-a-Velha


Ponte de Santa Clara
Construída no séc. XVIII é conhecida localmente como ponte romana por se situar perto de uma via romana que ligaria Beja ao Algarve e cujos vestígios perduram ainda.
Em meados do séc. XX uma intervenção provocou uma derrocada parcial desta ponte. Em 1996 foi aberto o processo de instrução de classificação desta ponte pelo IPPAR. Foi intervencionada em 2005 através do Programa de Recuperação de Pontes Históricas do Alentejo, com o apoio do POC (Programa Operacional de Cultura), tendo sido alvo de obras de consolidação.

Freguesia de S. Martinho das Amoreiras


Necrópole do Pardieiro
É uma necrópole da Idade do Ferro que se localiza junto da estrada que liga S. Martinho das Amoreiras a Corte Malhão.
O achado ocorreu em 1971 tendo sido as escavações arqueológicas dirigidas pelos Dr. Caetano de Mello Beirão e Virgílio Hipólito Correia. As estruturas descobertas são constituídas por onze monumentos funerários de planta sub-rectangular, todos justapostos. Estes monumentos funerários, em pedra seca cobriam as sepulturas constituídas por fossas escavadas nos xistos da base, cobertas com grandes lajes, por vezes aparelhadas e decoradas. A identificação deste sítio arqueológico foi realizada na sequência do achado de uma estela epigrafada com a escrita da primeira Idade do Ferro do Sudoeste Peninsular que pode ser vista no Museu da Escrita do Sudoeste em Almodôvar

Freguesias de S. Salvador e Santa Maria (Odemira)


Cerro do Castelo/Cerro do Peguinho
Assinala-se a existência de um pequeno troço das muralhas do antigo castelo de Odemira (Idade do Ferro).

Igreja da Misericórdia
A sua construção data da segunda metade do séc. XVI, na segunda metade do séc. XX foi profanada tendo tido diversas funções civis desde então.
Trata-se de um edifício de arquitectura religiosa maneirista, de especial apuro na concepção como denota a relação existente entre as formas rectangular e oval, de carácter claramente erudito e pouco comum na região.

Freguesia de Vila Nova de Milfontes


Forte de S. Clemente
O Forte de S. Clemente, vulgarmente denominado “Castelo” pela população local, é uma construção terminada no início do séc. XVII (1602), edificada no contexto da luta contra a pirataria marítima.
Este forte foi o ponto mais importante do sistema de defesa então existente e que servia não só para a defesa da Vila de Milfontes, como também para defender o comércio marítimo que se fazia a partir de Odemira, utilizando a saída pela barra de Milfontes.
Tendo sido edificado sobre uma ponta rochosa na margem direita do rio Mira, vigiou a barra durante séculos. Foi à sombra dos seus muros protectores que cresceu a Vila de Milfontes que o rodeia por Norte e Nascente. A sua actividade militar durou até meados do séc. XIX. Actualmente o forte tem algumas alterações à traça original que foram realizadas, na sua maior parte em 1939, aquando das obras de restauro levadas a cabo pelos actuais proprietários.
O Forte já funcionou como Turismo de Habitação mas actualmente é residência particular. Foi classificado imóvel de interesse público pelo Decreto n.º 95/78, de 12 de Setembro.

Galeria fotográfica

Património Classificado e Arqueológico

  • Odemira Igreja da Misericórdia
    cantocantocantocanto
  • S.M.das Amoreiras Necrópole Pardieiro
    cantocantocantocanto
  • Sta. Clara Ponte D.Maria
    cantocantocantocanto
  • VN Milfontes Castelo (2)
    cantocantocantocanto
  • VN Milfontes Castelo
    cantocantocantocanto